Tipos de Farinhas Sem Glúten!

Vocês com certeza já ouviram falar que os alimentos com glúten são prejudiciais a saúde e o quanto devemos nos preocupar com o consumo excessivo destes alimentos.

Farinha de Trigo é a mais usada na alimentação brasileira. É a primeira farinha que pensamos na hora de preparar um bolo, pão e massas. Mas ela possui um alto índice inflamatório e pode causar compulsão alimentar, diabetes, obesidade, distúrbios gastrointestinais, alergias e intolerâncias alimentares.

Como uma boa solução para os celíacos (alergicos ao glúten) e as pessoas que querem diminuir a quantidade de glúten consumida no dia a dia, hoje temos vários tipos de Farinhas Sem Glúten no mercado, mas nem todas servem para substituir as farinhas tradicionais nas preparações. Algumas podem não conter nutrientes suficientes, mudar a textura  ou até mesmo alterar o sabor do prato preparado.

Por este motivo, vou falar um pouco mais de alguns tipos de Farinhas Sem Glúten e seus benefícios.

collage

Farinha de Arroz: Tem um sabor suave e é ótima para substituir a farinha de trigo nas preparações. Combina bastante com receitas de bolo (veja a receita de Bolo De Chocolate Sem Glúten e Com Matcha) e receitas salgadas. Como é obtida através da moagem dos grãos do arroz branco, não tem aditivos químicos e mantém os nutrientes do arroz. Possui médio Índice Glicêmico, é de fácil digestão e é menos inflamatória que a farinha de trigo. Também é possível encontrar na versão integral que é melhor que a branca.

Farinha de Aveia: É rica em fibras, vitaminas, proteínas, ferro, cálcio, magnésio, diminui o nível de colesterol  no sangue e previne doenças cardiovasculares. Ela combina com bolos, cookies, tortas e panquecas (veja a receita de Panqueca de Aveia).

Farinha de Banana Verde: Estimula a flora intestinal prevenindo doenças inflamatórias intestinais e reduz o risco de câncer de cólon e os sintomas da TPM. Pode ser usada em vitaminas, bolos e iogurtes.

Farinha de Quinua: Tem um sabor mais amargo, mas é uma ótima fonte de fibras, proteínas e minerais. Pode ser utilizada para fazer tortas, bolos, biscoitos e panquecas.

Farinha de Coco: É feita da polpa seca do coco, possui mais fibras do que o óleo de coco e pouco carboidrato. Ela tem um sabor mais forte e pode alterar o sabor da preparação, deve ser utilizada com mais cuidado. Normalmente é utilizada com a farinha de arroz para dar consistência.

Farinha de Linhaça: Aumenta o nível de colesterol bom e auxilia na digestão. Combina com tortas, massas e bolos.

Farinha de Milho: Tem um sabor adocicado e combina mais com preparações doces, mas também pode ser usado em preparações salgadas como em farofas, panquecas e pães. Ajuda a eliminar as toxinas e a controlar as taxas de colesterol. Cuidado: tem um indice glicêmico mais alto podendo contribuir com depósito de gordura e tem muitas pessoas alérgicas ou intolerantes com o milho.

Farinha de Maracujá: É rica em vitaminas e minerais. Auxilia na produção hormonal, protege as paredes do estômago, controla a ansiedade, combate a anemia, recompõe os músculos, fortalece os ossos e contribui na manutenção da memória. Pode ser usada em sucos, bolos e iogurtes.

Farinha de Berinjela: Possui grandes quantidades de fibras, auxilia na redução de gordura, é antioxidante, promove saciedade e no bom funcionamento intestinal. Por ser suave, pode ser utilizada em qualquer receita.

Farinhas de Castanhas: Essa farinha pode ser feita em casa. Você pode utilizar qualquer castanha do seu agrado (castanha de caju, castanha do pará, amêndoas, etc). São ricas em vitaminas, proteínas e gorduras saudáveis. Pode ser usada em bolos, panquecas, farofas e para empanar carnes.

Sempre aconselho os pacientes a usar sua receita tradicional e trocar as farinhas. Veja qual fica mais gostosa e se adequa melhor com sua receita. Tome cuidado, pois o sem glúten, só quer dizer que não tem o fator inflamatório que a farinha de trigo tem, e para os intolerantes faz muita diferença na absorção além de ajudar a reduzir inchaços e facilitar perda de peso. Mas cuidado, pois o excesso destas farinhas também leva ao depósito de gordura.

yellowmark.1

Bolo de Chocolate Sem Glúten Com Matcha

IMG_7259

Estamos ouvindo falar muito de Matcha, mas o que faz deste pózinho tão popular?

Matcha  nada mais é do que o chá verde mais concentrado. Ele é extraído da mesma planta do chá verde, Camellia Sinensis, mas o seu processamento é mais artesanal. Por ser mais concentrado os seus benefícios podem ser notados com mais rapidez.

Esse pozinho verde tem um alto poder emagrecedor. A catequina presente na sua composição contribui para a perda de peso, diminui a retenção de líquidos e ajuda na  queima rápida de gordura.

Além de contribuir para a perda de peso o Matcha também auxilia na redução dos níveis do colesterol ruim, previne contra o câncer, ajuda na recomposição muscular após os exercícios físicos, estimula o metabolismo, promove sensação de saciedade, é antioxidante, tem grande quantidade de fibras alimentares, é uma grande fonte de energia, diminui a ansiedade, melhora a concentração, diminui a pressão arterial e combate inflamação.

Vale lembrar que o uso diário recomendado é de 15 à 20 gramas (1 colher de sobremesa cheia). Mas 1 colher de chá ao dia já traz beneficios.

Matcha é mais utilizado em chás, mas também pode ser usado em sucos, vitaminas, bolos e doces.

Hoje vou mostrar uma opção de como usar o Matcha em receitas de bolo. Bolo de Chocolate Sem Glúten e Com Matcha.
photomirror_2015611171757514.1IMG_7384.1

Ingredientes:

  • 3 Ovos (Claras e Gemas separadas)
  • Pitada de Sal Marinho
  • 1 xícara de chá de açúcar demerara
  • 1/2 xícara de chá de óleo de Girassol
  • 1/2 xícara de chá de leite de castanha de caju
  • 1/2 xícara de chá de farinha de amêndoas
  • 1 colher de café de vinagre de maça
  • 1/2 xícara de chá de farinha de arroz
  • 1/2 xícara de cacau em pó
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Ingredientes da Calda:

  • 25gr de chocolate meio amargo picado (mais de 70%)
  • 200ml de leite de amêndoas
  • 2 colheres de sobremesa de cacau em pó
  • 1 colher de sobremesa de óleo de coco
  • Pitadas de Matcha

Modo de Preparo:

  • Bata as claras com o sal até o ponto de neve e reserve;
  • Bata as gemas e misture o óleo e o açúcar; Bata até obter uma mistura clara e homogênea;
  • Reduza a velocidade da batedeira, junte o leite, vinagre. Adicione as farinhas e o restante dos ingredientes;
  • Incorpore as claras em neve;
  • Unte uma forma com o óleo e a farinha de arroz;
  • Asse no forno preaquecido à 180 graus por 40 minutos;

Modo de Preparo da Calda:

  • Derreta o chocolate em banho-maria e junte o leite, cacau e o óleo de coco;
  • Mexa até obter uma mistura lisa;
  • Cubra o bolo com a calda e polvilhe o Matcha por cima.

redmark.1

Tipos de Sal e Qual usar?

vitao-alimentos-integrais-alimentacao-saudavel-sal-marinho-sal-refinado-diferencas

sal de cozinha (Cloreto de Sódio) é fundamental para o bom funcionamento do nosso organismo. Ele ajuda no equilíbrio hídrico e a regular as células do nosso corpo. A quantidade diária de sal que deve ser consumido é de menos de 6 gramas (menos de 2,4g de sódio- o equivalente a 1 colher de café de sal ao dia), mas o consumo no Brasil vem crescendo ano a ano. Os brasileiros chegam a consumir duas ou três vezes mais do que o necessário em um dia.

Não utilizamos o sódio somente para salgar os alimentos; grande parte das frutas, legumes e verduras já possui quantidades de sódio na sua composição, além disso, a maioria dos alimentos industrializados possui sódio para ajudar na conservação dos alimentos.

Sal em excesso pode causar retenção de líquidos, aumento da pressão arterial e doenças cardíacas e renais. Além disso, os sais refinados acidificam nosso organismo, dificultando o trabalho do nosso metabolismo e contribuindo com a retirada do cálcio e magnésio do osso. Quem usa sal em excesso fica mais suscetível a ter câncer no estômago e osteoporose.

Atualmente já encontramos no mercado vários tipos de sais:

sal_shutterstock.1

Sal refinado: É o mais comum. Por exigência do Ministério da Saúde, a suplementação de iodo é obrigatória para evitar doenças na tireóide como o bócio e o hipotireoidismo. Este é o sal que mais acidifica o organismo.

Sal marinho:  O sal marinho é obtido pela evaporação da água do mar e seu conteúdo mineral lhe dá um sabor diferente do sal de mesa, que é obtido a partir de rochas. Normalmente, este não passa pelos processos de refinamento que acidificam o sal. Este é mais alcalinizante e portanto, mais interessante de ingerir.

Sal grosso: É o sal refinado sem os processos de refinamento, isso quando é integral. Preservam as propriedades dos alimentos e evitam o ressecamento. É usado principalmente para churrascos.

Sal Light: Foi desenvolvido para diminuir a quantidade de sódio consumido. Possui menos da metade de sódio encontrada no sal refinado, pois também possui cloreto de potássio. É indicado para pessoas com hipertensão, mas não é indicado para pessoas com problemas nos rins devido a quantidade de cloreto de potássio na sua composição. Como é um sal mais leve de gosto, o perigo é abusar. Lembrando que é um sal refinado, o qual também acidificam o corpo.

Flor de sal: É retirado das salinas. Apesar de conter minerais importantes como magnésio, iodo e potássio, podem conter mais sódio do que o sal refinado. Deve ser acrescentada após o preparo. Combina com qualquer prato, até sobremesas, pois é capaz de realçar o sabor, sem fazer com que o alimento perca sua característica original. Tem mais nutrientes e menos toxicidade.

Sal defumado: De aparência cinza revela um gosto levemente adocicado. Os sais são defumados na fumaça fria da queima dos barris de carvalho usados no envelhecimento do vinho Chardonnay.

Sal Rosa do Himalaia: É um sal Gourmet. É encontrado nos pés da montanha do Himalaia, uma região que já foi banhada por mar. De sabor um pouco metálico e suave, é rico em ferro e manganês. É menos tratado e mais natural. Não acidifica o organismo como o refinado de mesa.

Prefiro utilizar o sal marinho orgânico para o dia a dia e para preparações como salada, peixes e para finalizar algumas preparações gosto do sal rosa ou flor de sal. Para os hipertensos também sugiro esta combinação, sendo a  melhor opção  mudar alguns hábitos e moderar o consumo de sal e alimentos ricos em sódio no  dia a dia.

Algumas dicas para ajudar a diminuir a ingestão excessiva de sódio:

  • Evite alimentos em conserva, enlatados, embutidos, temperos e molhos industrializados e amêndoas, amendoins e castanhas com adição de sal;
  • Faça temperos naturais com ervas ,cebola e alho;
  • Não adicione sal nas verduras e legumes, utilize o seu tempero natural para temperar;
  • Fique atento a quantidade de sódio nas embalagens dos produtos industrializados, você se surpreenderá com a grande quantidade de sódio nos alimentos;

redmark.1

Açúcar Ou Adoçante?

AdoçanteXaçucar

Já falei para vocês dos Tipos de Açúcares e Qual é o Melhor para utilizar, mas e o Adoçante? É melhor usar adoçante no lugar do açúcar?

Cada caso é um caso e o paciente deve seguir um plano alimentar de acordo com  seu nutricionista ou médico. No caso de diabéticos, por exemplo, o adoçante pode ser melhor. Mas para uma criança que pratica muitas atividades físicas durante o dia, o açúcar é mais recomendado.

adocantes-viva-mais-518

O Adoçante ou edulcorante, é uma opção para quem quer restringir a quantidade diária de açúcar (calorias), como uma opção ou obrigação (no caso de Diabetes Mellitus). Existem dois tipos de edulcorantes: os artificiais (produzidos sinteticamente), como aspartame, sacarina sódica, ciclamato de sódio, sucralose, e outros menos populares e os naturais, como stévia, manitol, sorbitol, taumatina, eritritol e xilitol. Os melhores adoçantes são os naturais, principalmente stévia e xilitol. O manitol e o sorbitol devem ser evitados, pois podem mudar o hábito intestinal.

Os produtos que são encontrados no mercado com a denominação Zero ou Diet contém algum tipo de adoçante.

Vale lembrar que às vezes, o adoçante pode causar efeito contrário ao pretendido, pois pode estimular a absorção de carboidratos no intestino.

Não há razão para consumir esses tipos de substitutos do açúcar de forma exacerbada, uma vez que não existem estudos conclusivos sobre os malefícios que estes ingredientes possam causar à saúde humana em longo prazo. O açúcar também deve ter seu consumo diminuído, pois, quando consumido em excesso, acarreta problemas sérios de saúde, como a obesidade, o diabetes, hiperatividade, inflamações, acne, entre outras. O ideal mesmo é evitar adoçantes e açúcar. Aproveitar o gosto natural dos alimentos. É só treinar o paladar!

greenmark.1

Tipos de Açúcares e Qual Usar?

Açucares 3

Açúcar é o nome dado a certos carboidratos, geralmente doces e solúveis em água, como sacarose, a glicose e a frutose. Além disso pode ser uma substância doce, solúvel em líquido e extraída especialmente da cana-de-açúcar e da beterraba.

Temos a concepção que açúcar faz mal para a saúde e não deve ser consumido, mas muito pelo contrário o açúcar correto e utilizado da forma certa traz muitos benefícios para a saúde.

Existem vários tipos de açúcares, naturais (mel, melado, melaço, frutose, açúcar natural das frutas, e agave) e industrializados (cristal, refinado, confeiteiro, light, mascavo, demerara e orgânico). Entre os açúcares industrializados a diferença são as etapas de produção, alguns são mais processados do que outros.

Mel, melado, melaço, agave

Mel: É extraído de flores, possui nutrientes que ajudam na imunidade. As pessoas substituem o açúcar pelo mel, mas essa substituição deve ser cuidadosa. Como o mel tem muita glicose, o uso excessivo pode prejudicar a saúde.

Melado ou melaço: É extraído da cana-de açúcar. Conserva todos nutrientes, como ferro, cálcio, selênio, manganês e o cobre. É uma ótima forma de adoçar comida e sucos.

Frutose: É o açúcar extraído de frutas e do milho. Apesar de natural, tem menos vitaminas que os outros.

Agave: É extraída do cacto. Ela possui mais de 80% só de frutose. Seu índice glicêmico é bem menor do que a do mel e a do açúcar. Isso significa que entra bem lentamente no sangue e não se transforma tão rápido em gordura.

Açucares 2

Açúcar Cristal: É o menos processado de todos os açúcares. É fonte de energia, mas não possui nutrientes além do carboidrato, 90% das suas vitaminas são retiradas. É extraído da cana-de-açúcar e por possuir grânulos grandes é mais difícil de ser dissolvido. É a partir dele que outros açúcares são produzidos.

Açúcar Refinado: É obtido a partir da diluição do açúcar cristal. O enxofre é adicionado para dar a coloração branca fazendo com que vitaminas e sais minerais acabam sendo perdidos durante o processamento.

Açúcar de Confeiteiro: Passa pelo mesmo processo do refinado, mas o amido de arroz, de milho ou fosfato de cálcio são adicionados para que os minicristais não se juntem novamente. Normalmente é usado no preparo de doces.

Açúcar Light: É resultado da combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais, o adoçante garante que a ingestão calórica seja menor, quando comparado ao consumo de açúcar refinado.

Açúcar Mascavo: É o açúcar em forma bruta por não passar pelo processo de refinamento (apresentando coloração mais escura e sabor mais forte), a qualidade nutricional é melhor. Apresenta vitaminas e minerais que não estão presentes na versão refinada.

Açúcar Demerara: De cor marrom-clara, passa por leve refinamento e não tem aditivo químico. Tem altos valores nutricionais

Açúcar Orgânico: Para a produção não são utilizados ingredientes artificiais, a cana é cultivada sem fertilizantes químicos. Suas características nutricionais se assemelham com as do açúcar mascavo. Já existem no mercado algumas opções, como o açúcar cristal orgânico e o açúcar demerara orgânico. Lembrando que o demerara possui mais nutrientes do que o cristal, mesmo sendo orgânico.

O açúcar mascavo e o demerara são as melhores opções, possuem o valor nutricional similar, e conservam os nutrientes, pois não sofrem processos químicos. Vale lembrar que as calorias são as mesmas do açúcar refinado, ou de qualquer outro (exceto o light, que possui adoçante em sua composição) 1g = 4 kcal.

O ideal é não consumir produtos com excesso de açúcar e edulcorantes, como refrigerantes e doces de padaria. Não adicione o açúcar em sucos, chás e café e quando fizer, tomar muito cuidado na quantidade (sempre pouco). Opte pela melhor opção de açúcar: quanto mais escuro e orgânico, mais nutrientes são preservados e menos aditivos químicos são adicionados. Seu organismo agradece!!!

yellowmark.1